Varíola, primeira vacina e doença erradiacada pelo homem

saúde durante a pandemia

A varíola era uma doença devastadora. Os primeiros traços documentados da doença foram encontrados em múmias egípcias do 3º século A.C., e ao longo dos séculos as rotas de comercio e colonização a espalharam pelos quatro cantos do mundo. Na média, 3 em cada 10 infectados morriam, e os sobreviventes eram marcados por cicatrizes cutâneas profundas.

Um dos primeiros métodos usados na tentativa de controle da transmissão da doença foi a variolação, que constituía em extrair material das pústulas dos infectados e inocular pessoas saudáveis através de escoriações provocadas na pele ou inalação. Normalmente esses indivíduos desenvolviam sintomas da doença, como febre e manchas na pele. No entanto o número de mortes era inferior ao causado pela doença natural.

Em 1796 o médico inglês Edward Jenner observou que as leiteiras que adquiriam varíola bovina não exibiam sinais de varíola quando submetidas ao procedimento de variolação. Assim, em seu primeiro experimento, Jenner colheu material de uma pústula de varíola bovina da mão da leiteira Sarah Nelmes e inoculou o garoto James Phipps, de 9 anos. Meses depois Jenner expôs Phipps a diversas pessoas com varíola, mas o garoto nunca adquiriu a doença.  Um experiment que dificilmente seria aprovado por comitês de ética modernos…. Após diversos outros experimentos, em 1801, Jenner seu tratado.

A vacinação passou a ser amplamente aceita e, gradualmente, substituiu a variolação.

Jenner utilizou um virus natural menos agressivo do que o vírus da varíola como vacina. Alguns anos depois, o francês Louis Pasteur conseguiu produzir em laboratório um vírus atenuado, criando assim a vacina anti-rábica, a primeira vacina de vírus vivo atenuado.

Fontes:

https://www.cdc.gov/smallpox/history/history.html

https://www.sciencehistory.org/historical-profile/louis-pasteur

Diana Vanni – CRM 100677

• Formada em Microbiologia e Imunologia pela McGill University, Montreal, Canadá

• Formada em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

• Residência em Ginecologia e Obstetrícia no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).

• Título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia, adquirido por meio de prova organizada pela Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO)

• Atuacão nos grupos de oncologia ginecológica (2003 a 2008) e cirurgia ginecológica minimamente invasiva (desde 2009) no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).

• Atendimento em vários hospitais referência, como Hospital Israelita Albert Einstein, Hospital Sírio Libanês, Hospital São Luiz, Hospital e Maternidade Pró-Matre Paulista.

• Fluente em Francês e Inglês.