Saúde Bucal na Gestação

obstetrícia

Existem muitos mitos sobre a saúde odontológica da mulher, principalmente na gravidez. Algumas mulheres acreditam que o bebê consome o cálcio da gestante, levando a dentes mais fracos. Outras acreditam não poderem fazer tratamento odontológico na gravidez.

Na realidade, toda gestante deveria procurar atendimento odontológico.

Afinal, as mudanças hormonais da gravidez podem facilitar processos inflamatórios e infecciosos da boca. Numerosas mulheres apresentam gengivas vermelhas, inchadas e sangrentas na gravidez, o que é considerado por muitos como normal. Na verdade, trata-se da gengivite gestacional, uma forma de doença periodontal que, se não tratada, pode levar a uma forma mais grave, conhecida como periodontite. A prevenção mais eficaz é a higiene regular, que consiste em escovação adequada com uma escova de cerdas macias, uso de escova gengival e do fio dental, essencial para remover o filme de placa bacteriana. A remoção profissional do tártaro em intervalos regulares é o próximo passo.

Existe associação entre doença periodontal e parto prematuro, baixo peso ao nascimento e pré-eclampsia. A longo prazo, a periodontite pode levar à perda de dentes. Além disso, a saúde oral da mãe influencia diretamente a de seu bebê, que, desde os primeiros dias de vida, pode ter a boca colonizada por cepas de bactérias associadas à doença periodontal e cáries.

Portanto, na gravidez, coloque sua rotina odontológica em dia. E aproveite para receber orientações valiosas de seu dentista sobre como preservar a saúde oral de seu bebê desde os primeiros instantes.

Fonte: www.cdc.gov/oralhealth

Diana Vanni – CRM 100677

• Formada em Microbiologia e Imunologia pela McGill University, Montreal, Canadá

• Formada em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

• Residência em Ginecologia e Obstetrícia no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).

• Título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia, adquirido por meio de prova organizada pela Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO)

• Atuacão nos grupos de oncologia ginecológica (2003 a 2008) e cirurgia ginecológica minimamente invasiva (desde 2009) no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).

• Atendimento em vários hospitais referência, como Hospital Israelita Albert Einstein, Hospital Sírio Libanês, Hospital São Luiz, Hospital e Maternidade Pró-Matre Paulista.

• Fluente em Francês e Inglês.