Endometriose

GINECOLOGIA

Nem toda dor é endometriose.

Mas é preciso estar atenta.

Cólicas menstruais excessivas, dores pélvicas e dores durante a relação sexual são indícios que merecem investigação. Mas fique tranquila, na grande maioria dos casos o tratamento não é cirúrgico.

Hoje em dia existem excelentes tratamentos clínicos que melhoram a dor e impedem a progressão da doença.

Endometriose. Estudo publicado mais recente.

Comparação entre microlaparoscopia sob sedação, microlaparoscopia sob anestesia geral e laparoscopia convencional para diagnóstico e tratamento da endometriose pélvica em estágios iniciais

Materiais / Métodos:

Cinquenta e quatro pacientes com suspeita de endometriose pélvica nos estágios I e II, de acordo com a classificação da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva revisada em 1996, foram divididos em três grupos submetidos à microlaparoscopia (com endoscópio de 2 mm) sob sedação, microlaparoscopia sob anestesia geral e laparoscopia convencional (com um endoscópio de 10 mm) sob anestesia geral.

Esses pacientes apresentaram sintomas de dor pélvica crônica sem alívio com tratamento prévio, dismenorreia ou dispareunia.

Não houve alterações no exame físico e na ultrassonografia transvaginal.

O nível de CA-125 foi inferior a 50 UI / ml. Não houve contraindicações para sedação ou anestesia geral e o índice de massa corporal foi inferior a 35 kg / m2. Após a cirurgia, os pacientes permaneceram em uma sala de recuperação pós-anestésica e depois em um ambulatório antes de deixar o hospital. Esses procedimentos foram comparados em relação à dor pós-operatória nos primeiros seis dias (através da escala visual analógica de dor e quantidade de analgésicos utilizados nesse período).

Os custos das cirurgias foram comparados com medicamentos e materiais anestésicos, tempo utilizado na sala cirúrgica, sala de recuperação pós-anestésica e tempo de internação.

Resultados:

A análise dos resultados permitiu concluir que a microlaparoscopia causou menos dor nesses seis primeiros dias de pós-operatório, levando a menor necessidade de analgésicos. O retorno às atividades habituais foi mais rápido nos pacientes submetidos à microlaparoscopia. A sedação mostrou menor incidência de outras queixas pós-operatórias, como náusea, vômito e dor orofaríngea. A microlaparoscopia sob sedação ofereceu uma hospitalização mais rápida que a microlaparoscopia sob anestesia geral e laparoscopia convencional. Não houve diferença significativa no tempo na sala de recuperação pós-anestésica. No que diz respeito aos custos hospitalares, a microlaparoscopia sob sedação permitiu reduzir os custos de internação, principalmente pela redução dos medicamentos e material analgésico utilizado, tempo de internação e tempo na sala cirúrgica. Não houve diferença significativa nos custos de permanência na sala de recuperação pós-operatória.

Conclusões:

A microlaparoscopia sob sedação representa uma importante alternativa na abordagem de pacientes com endometriose inicial, proporcionando uma recuperação mais confortável, uma redução na hospitalização e um retorno mais rápido às atividades habituais. Consequentemente, é obtida uma redução no dano socioeconômico e psicológico inerente a qualquer procedimento cirúrgico.

Acesse aqui o estudo na íntegra

Diana Vanni – CRM 100677

• Formada em Microbiologia e Imunologia pela McGill University, Montreal, Canadá

• Formada em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

• Residência em Ginecologia e Obstetrícia no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).

• Título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia, adquirido por meio de prova organizada pela Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO)

• Atuacão nos grupos de oncologia ginecológica (2003 a 2008) e cirurgia ginecológica minimamente invasiva (desde 2009) no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).

• Atendimento em vários hospitais referência, como Hospital Israelita Albert Einstein, Hospital Sírio Libanês, Hospital São Luiz, Hospital e Maternidade Pró-Matre Paulista.

• Fluente em Francês e Inglês.